Image is not available
Slider

Melhoria Da Qualidade E Relevância Do Sistema Educativo

 Inscrições encerradas
 
100
Categoria
Fórum Nacional de Educação - 9 Novembro
Data
quinta, 9 de novembro de 2017 08:00 - 12:00
Local
Jean PIaget
Número de lugares
100
Lugares disponíveis
Não existem bilhetes disponíveis para esta data

As dificuldades na transmissão, aquisição e avaliação de conhecimentos e competências nos diferentes níveis de ensino têm condicionado a qualidade do sistema educativo. Dados do ano letivo 2014/2015 apontam que a taxa média de repetência era de 8.3 para a totalidade dos alunos que frequentavam os 6 anos de escolaridade e 10% de entre eles tinha idades superiores a 11 anos adequados para a frequência do ensino básico sem repetência. A repetência é significativa no 2º ano de escolaridade (40% do total das repetências) e no 4º ano (20%). A nível do 1º ciclo (7º e 8º anos de escolaridade) registou-se entre os anos letivos 2013/2014 e 2014/2015 um relativo aumento da taxa do abandono escolar.

 

A melhoria da performance do sistema educativo poderá passar pela criação das condições efetivas para a implementação de novos currículos e programas nas escolas, bem como avaliação das aprendizagens, a par da adequação das competências dos agentes educativos e utilização de diferentes métodos e modalidades formativas para otimizar o desempenho desses intervenientes no processo de ensino e aprendizagem em salas de aula. Nesse sentido, urge procurar soluções para colmatar as lacunas diagnosticadas com intervenções gerais a nível da gestão pedagógica das escolas, do seu projeto educativo, das suas ligações ao exterior e da qualidade das suas infraestruturas e do seu corpo docente.

 

SESSÕES EM GRUPO ( Inscrever para as Sessões do dia 9)

 

2.1. Avaliação Formativa: estratégias de melhoria da qualidade das aprendizagens dos alunos nas salas de aula

A gestão pedagógica foi considerada, em dois estudos de referência, uma fraqueza do sistema educativo cabo-verdiano, não existindo uma relação entre o desempenho escolar (resultados de aprendizagem) e os maiores ou menores recursos humanos (professores) e materiais investidos. O sistema educativo revela algumas fragilidades importantes a nível das práticas pedagógicas. Por exemplo no plano pré-escolar torna-se premente introduzir um conjunto de inovações, nomeadamente o reforço da planificação, produção de guias/materiais didáticos de ensino para diferentes áreas, adoção de instrumentos de sistematização periódicos de resultados da evolução das aprendizagens dos alunos.

A nível do ensino básico, embora o sistema disponha de mais de 90% de professores com formação superior, verifica-se que, nos últimos anos, o Ministério da Educação negligenciou ou relegou para o segundo plano a formação contínua dos professores, fazendo com que esses professores perdessem oportunidades de se inovarem, adquirindo competências que lhes são exigidas no quadro das reformas implementadas. Por outro lado, existe um indicador preocupante em relação ao pessoal não docente que diz que a maior parte dos funcionários não dispõe de formação especializada para a assunção de responsabilidades que lhes são atribuídas, acabando por ter um impacto na gestão administrativa e pedagógica das escolas.

Por isso, impõe-se uma mudança da cultura de gestão, que deverá ser focalizada nos resultados, propiciando contextos de aprendizagem favoráveis ao sucesso educativo.

2.1.1. Melhoria Dos Resultados Das Aprendizagens

Por isso, torna-se necessário desenvolver um programa de formação contínua que representa uma estratégia prioritária de modo a preparar o docente, tanto em termos de atualização dos conteúdos, assim como a nível da didática do ensino e da metodologia de avaliação e o acompanhamento da aprendizagem do aluno na sala de aula.

Este plano de formação poderá ser montado e implementado em parceria com o Instituto Universitário de Educação/UniCV e através de modelos mistos, blended learning, de modo a potenciar as formações através do uso das TICs, promovendo o uso das tecnologias, e a investigação no seio da classe do docente nos seguintes domínios: a prática pedagógica (utilização de metodologias activa de ensino), os desafios da educação de alunos com NEE, e trabalhar temas transversais. Sendo assim, pretende-se para formação e capacitação de professores, os seguintes:

  • Reforço da formação dos professores e gestores (inicial, continua, presencial e a distância) em todos os níveis e modalidades de ensino.
  • Incremento dos apoios pedagógicos aos docentes e de formações especificas, em conteúdos novos de programas e abordagens preconizadas para a sua aplicação.
  • Reconversão de professores da escolaridade obrigatória em tutores, na ótica da gestão pedagógica com o foco no aluno.
  • As instituições de ensino superior (em particular, as públicas) devem ministrar asformações acima referidas, no quadro das reformas curriculares em curso.

Também pretendesse criar um conjunto de instrumentos e procedimentos de avaliação para
garantir a qualidade de aprendizagem, como:

  • Assegurar a observância de padrões e indicadores de qualidade da educação um modelo de avaliação interna (baseado nos dados do professor sobre a aprendizagem do aluno) e externa (inquéritos a larga escala e teste de aferição) nos estabelecimentos do pré-escolar aos secundárias, como forma de monitorizar permanentemente o processo de ensino aprendizagem, sobretudo nas disciplinas básicas, como a língua portuguesa, matemática e ciências.
    • Realização regular de avaliações aferidas dos resultados das aprendizagens com consequências na melhoria do sistema em todos os níveis de ensino;
    • Avaliação dos resultados obtidos no ensino básico obrigatório e secundário, em matéria das aprendizagens dos alunos, reprovações e abandonos.

 

 

2.2.  Articulação entre os serviços centrais e as delegações para uma gestão mais eficiente do Sistema Educativo

As dificuldades em melhorar a capacidade administrativa do ME parecem poder imputar-se entre outros, os seguintes factores: Escassez de recursos humanos especializados, sobretudo nas áreas como: Gestão / Planeamento do sector educativo; Avaliação, Gestão Pedagógica, Seguimento e Avaliação das políticas educativas, bem como em conjunto de temas transversais como abordagens de géneros, direitos humanos e gestão emocional; Ausência de sistematização e de normalização de trabalhos; Estruturas burocráticas, centralizadas e com muita dependência, responsável pela morosidade e rigidez nos procedimentos administrativos; Inexistência de um sistema de informação integrada que permita a avaliação sistemática das informações; Necessidade de reforçar os serviços de inspeção de educação, tanto a nível central como local;  Ineficiência na articulação entre os serviços, tanto a nível central, como nos serviços desconcentrados; Ausência de um serviço de seguimento e avaliação de políticas públicas para o sector, pois este controlo é efetuado por todos os serviços que não permite ter uma visão do conjunto.

2.2.1 Reforço institucional dos serviços centrais e descentralizados
Prevê-se, no quadro do reforço institucional, a implementação de um conjunto de medidas que visa aumentar a produtividade das diferentes unidades orgânicas do ME e que passa por:

  • Implementar manuais de funcionamentos dos diferentes serviços do ministério, de modo a normalizar os procedimentos, e assegurar a regularidade e pleno funcionamento dos serviços.
  • Reforço de capacidade dos técnicos dos ME em todos sectores.
  • Implementar, a partir deste ano, de forma séria e objetiva, o desenvolvimento de uma nova abordagem de gestão de recursos humanos, bem como a montagem de um sistema de avaliação, como forma de ascensão e valorização dos recursos humanos;
  • Promover espaços de intercambio e partilha de conhecimento interno através de encontros, fóruns de discussão de temas que constituam desafios para o sector, bem como para apresentação de práticas bem-sucedidas no processo;
  • Promover a participação de técnicos em investigação relevantes para o ME, como forma de aumentar a capacidade dos seus técnicos na investigação educativa, assim como na elaboração de diagnósticos do sector;
  • Aumentar número de inspetores, pelo menos, ter uma média de 3 inspetores nos concelhos de maior dimensão e 1 nos concelhos de menor dimensão (Brava, Boa vista, Sal).
  • Implementar modelos inspetivos que definem de forma objetiva os diferentes momentos de atuação dos inspetores, e que devem estar alinhados com os  regulamentos de gestão administrativa e pedagógica de cada nível de ensino,
  • Criar um plano de reforço de capacidade dos inspetores em matéria de seguimento e avaliação.

 

2.2.2 Reforço da eficiência e gestão do Sistema Educativo

  • Analises permanente da correlação da relação entre os recursos disponibilizados (meios humanos e materiais) e os resultados das aprendizagens.
  • Racionalização do corpo docente nas escolas, em particular, as que oferecem a escolaridade obrigatória, com uma elevação do ratio aluno-professor para 2897.
  • Reconversão, pela formação adequada, do pessoal docente “excedentário” em tutores que apoiam os alunos de forma mais próxima, contribuindo para a diminuição dos abandonos e repetências e para o sucesso educativo.
  • Racionalização da gestão do corpo docente nas IES, em termos de eficiência organizativa, evitando-se desperdícios na afetação dos professores a áreas científicas/disciplinas.
  • Promoção de uma cultura de resultados e de responsabilidade dos intervenientes no sistema educativo (novo modelo de gestão a ser implementada gradualmente). Institucionalização de um sistema de avaliação dos resultados obtidos em todos os níveis de ensino: aprendizagens e inserção no mercado de trabalho.
  • Mobilização de meios às escolas indispensáveis para facilitar o trabalho dos professores e responder às necessidades específicas das escolas a nível local.
  • Aumento do volume dos recursos mobilizados por aluno, em estudos científicos e profissionalizantes.
  • Criação de fundos para que as IES disponham dos meios financeiros indispensáveis para a formação dos seus docentes, de modo a atingirem as características que as universidades de nível internacional devem ter e para a promoção da investigação (em paridade com outras instituições internacionais).
  • Criação de um Observatório que permita às instituições responsáveis pela formação profissional e pelo ensino superior fazerem os ajustamentos necessários na sequência
    das evoluções no plano macroeconómico e no mercado de trabalho

 

 

PROGRAMA DETALHADO

1. Sessão Plenária:

  • Padrões de currículo para garantir a relevância da qualidade da educação e da aprendizagem

2. Discussões em Painel:

  • Apresentação do Plano Estratégico Educativo
  • Melhoria da qualidade e relevância do sistema educativo
    1. Organização e Gestão do sistema Educativo
      1. Novo Modelo de Gestão
    2. Racionalização de Recursos Humanos
    3. Formação continua

3. Sessões de Grupos:

  • Avaliação Formativa: Estratégias de melhoria da qualidade das aprendizagens dos
    alunos nas salas de aula.
    1. Melhoria dos resultados das aprendizagens
    2. Formação e capacitação de professores
  • Articulação entre os serviços centrais e as delegações para uma gestão mais eficiente do
    Sistema Educativo.
    1. Reforço institucional dos serviços centrais, locais, e as escolas
    2. Reforço da eficiência e gestão do sistema educativo
    3. Financiamento e gestão de recursos humanos de Pré-escolar e Ensino Básico no quadro de descentralização.
 
 

Todas as datas

  • quinta, 9 de novembro de 2017 08:00 - 12:00

Inscrição

Não existem eventos programados!

Parceiros

Slider

 

 

 


Palácio do Governo , CP nº 111, Várzea, Praia    (+238) 261 02 10    info@fne.cv

Acompanhe-nos nas redes sociais

Please publish modules in offcanvas position.